Pular links da navegação e ir direto para o conteúdo

Publicado em 8 de Aug de 2009 às 13:08

Entrevista de emprego

Não sou mestre em processos seletivos, nem tenho grande experiência em ser entrevistado para uma vaga. Dos 3 empregos que tive, apenas num fui entrevistado. Mas com a experiência de selecionar profissionais para a Wenetus e também com os conceitos pesquisados no último período da faculdade, observei algumas coisas que fazem com que eu, na posição de entrevistador, destaque alguns candidatos e não acho que seja um julgamento puramente pessoal, apesar dele ser inevitávelmente o que define o jogo.

Informação e Administração da imagem acredito que são as duas coisas que criam um diferencial no candidado, além de suas habilidades. E a segunda é o que ajuda mais na hora da decisão de contratar ou não.

Nível de informação sobre a vaga e empresa

Chegar na entrevista bem informado deixa a impressão de proatividade (muito valorizada não só na Wenetus). No primeiro contato, geralmente por e-mail ou telefone, é importante que as dúvidas geradas pelo anúncio sejam tiradas diretamente com a empresa. Mesmo sem se aprofundar, até porque este é um dos motivos da entrevista existir.

É incrível como algumas pessoas chegam na hora da entrevista sem ter pesquisado ao menos o que a empresa faz. Não estou exagerando, dois candidatos que entrevistei não tinham a menor idéia do perfil da empresa, isso já da a impressão que eles não querem se comprometer por muito tempo. Há casos que o site da “firma” não ajuda, mas você consegue informações com conhecidos e até mesmo no primeiro contato com o representante da empresa via telefone ou e-mail. Nunca é feio se informar.

O foco é VOCÊ

Parece óbvio, mas só parece. Na hora da entrevista muitos tem o costume de assumir uma postura de rebaixamento, onde a empresa é a Darth Vader e você é só mais um soldado da Clone trooper. E isso chega a irritar. Ora, o objetivo principal da entrevista é conhecer melhor o profissional, é a oportunidade de mostrar o que você já fez, o que pensa do mercado, quais as apostas pro futuro, (com base no que você se informou sobre a empresa) porque nossa parceria vai dar certo, que estratégia você está traçando pra nosso trabalho em conjunto.

Segundo Stephen Robbins, estudos feitos na área de Administração da impressão, para determinar o sucesso em entrevistas de emprego, revelam que em alguns casos se o candidato sabe administrar bem algumas técnicas ele acaba destacando-se. São elas com exemplo/explicação rápida:

  • Conformidade – “Claro, concordo plenamente que falhei..”
  • Justificações – “A página foi ao ar fora do prazo, mas é pouco acessada mesmo…”
  • Desculpas – O sujeito admite o erro já procurando o perdão
  • Aclamação – “Depois que entrei naquela empresa as vendas aumentaram x%”
  • Bajulação – “Se eu tivesse feito não sairia tão bom assim”
  • Favores – “Por falar nisso, tenho ingressos aqui que não vou usar, quer distribuir com alguém?”
  • Associação – “Dividi um alojamento com seu gerente na época de faculdade, grande jogar de futebol!”

Mística X-menNote que nem todas focam numa postura onde o candidato tem total controle, mas o segredo é exatamente saber medir as doses de cada tipo de postura e na hora certa. Ainda segundo Robbins, algumas destas técnicas bem administradas podem resultar até no candidato com menos qualificações levando a vaga por influenciar melhor o entrevistador. Também revela que quem assume um estilo mais controlador da situação é mais bem classificado em fatores como motivação, entusiasmo e até habilidades técnicas. Claro que algumas pessoas com domínio disso podem manipular o entrevistador e serem contratadas mesmo não sendo as mais adequadas pra vaga, ai entra a habilidade e responsabilidade do entrevistador de detectar os que tem complexo de Mística.

E mesmo assim no momento da entrevista muita gente começa a choramingar, a mostrar uma imagem de vítima e coitado. Isso é péssimo, ninguém vai lhe contratar poque você simplemente precisa ou é “uma pessoa muito esforçada”, o mundo é cruel, a vida adulta não é um conto de fadas, porém ao mesmo tempo a coisa é simples: mostre que é bom e por que é bom e será contratado.

Você é Desenvolvedor ou Designer?
Leia o blog do VTEX Lab, núcleo de inovação para ecommerce da VTEX. Também escrevo por lá. :)

  • Cynara

    Para quem está a procura de melhorar seu estágio de vida, uma dica e tanto!
    tanks
    Adorooooo!

Sobre

Nascido em 1984 é Desenvolvedor Web autodidata desde 2002. Hoje especialista em Design da Informação pela UFPE é Designer na equipe de UX no VTEX Lab (núcleo de inovação para ecommerce), da VTEX.

Saiba mais