Pular links da navegação e ir direto para o conteúdo

Publicado em 12 de Apr de 2010 às 13:40

Planejando o redesign: Análise do público e linha editorial

Segundo post da série sobre o redesign deste site criando a versão 5.0:

  1. Redesign: Preparando a nova versão deste site

Num redesign, ao estudar o público que já consome seu conteúdo é interessante não esquecer de pensar no novo público que ainda não conhece o site e que será seu alvo, mas primeiro escolhi estudar quem já o conhece. Por onde começar? O melhor é mesmo analisar suas estatísticas de acesso para diagnosticar as características de quem sempre volta e tentar observar oportunidades. Há várias ferramentas para isso, algumas oferecidas pelo próprio servidor de hospedagem, uso o popular Google Analytics. Olhemos alguns dados do último ano:

Novos x Antigos
Novos visitantes em azul, retornos em verde

14,66% dos visitantes são aqueles que voltam ao blog, um pouco mais de 84 mil visitas e ficaram em média 00:01:32 navegando. Eles serão o foco da análise por enquanto. Mas bateu a curiosidade: de onde vêm esses 85,34%? Depois do Google, os dois maiores responsáveis por jogar visitantes aqui foram o Google Images e Twitter. Engraçado que o Orkut está na lista mesmo eu não participando ativamente da rede, parece que os links postados por outras pessoas nos tópicos das comunidades sobre web trazem bons resultados, pelo menos a longo prazo.

Recursos de navegador/dispositivo

Voltando o foco aos que retornam, a grande vantagem de se fazer um redesign é poder analisar os recursos dos dispositivos usados por eles para assim decidir tecnicamente quais tecnologias podemos usar, e que não eram aplicadas antes ou quais podemos descartar (sim, estou falando especificamente do Internet Explorer 6). Filtrando o seguimento do Analytics por quem retorna, o quadro de navegadores no último ano fica:

Entre os navegadores o Firefox teve um desempenho fantástico, 60,37% contra 20,74% do Internet Explorer (ainda bastante gente). E se formos um pouco mais fundo, nesse ano, foram apenas 430 visitas usando Internet Explorer 6, dentre os que voltam ao blog. Sim, menos de 450 em um ano inteiro. Se você é um deles, infelizmente vai ter que aceitar que não é um número expressivo o suficiente para exigir abraços, flores e chocolates. Pra mim os bugs do IE6 oficialmente são passado depois destes dados, me desculpem mas vocês serão ignorados para o bem da maioria esmagadora que usa browser moderno e para o bem dos meus futuros cabelos brancos. Claro que tenho a sorte de ter um público nerd, isso fez a diferença. Outra coisa que me ajudou a decidir derrubar o suporte ao IE6 foi a atitude do Youtube de fazer o mesmo. Ainda nos navegadores, não dá pra passar batido o desempenho do Chrome, que em tão pouco tempo de vida já tem mais de 10% das visitas, metade de todas as versões do Internet Explorer.

Não vou entrar nos pontos de sistema operacional, versão do Flash ou Java. São coisas que não fazem tanta diferença para meu objetivo. Só é interessante apontar que em 1 ano o blog só teve 52 visitas de pessoas usando iPhone/iPod Touch, ou seja, ainda não é um público que mereça uma versão exclusiva. Mas da forma que estou pensando a interface a experiência de toque deve melhorar consideravelmente e a falta de visitas pode ser justamente por hoje não ser uma experiência tão legal.

Legal mesmo é ver que nos últimos tempos nós designers ganhamos muito espaço nos monitores. Entre os que retornam, cerca de 2% usaram resolução 800 x 600 ou menor. E entre todos os visitantes esse número é um pouco menor que 5% do total. Então o layout para 1024 de largura continuará firme e forte e o tamanho grandes das fontes está a caminho.

Redesign do conteúdo

Quando pensamos em mudar a linha editorial de algum site hoje, não é possível fazer isso com sucesso sem analisar o que as pessoas estão procurando nos mecanismos de busca (AKA Google) e acabam caindo nele.

Não há nenhuma surpresa. O buscador de Mountain View ainda é a grande fonte de novas visitas daqui. São 66,72% do total e dentre os buscadores ele tem a “pequena” marca de 98,90%. E afinal o que procuram? Nesse último ano os 25 termos mais procurados entre novos visitantes foram:

  1. instalar wordpress
  2. como instalar wordpress
  3. como instalar o wordpress
  4. instalando wordpress
  5. instalando o wordpress
  6. tutorial wordpress
  7. wordpress
  8. wordpress tutorial
  9. entrevista de emprego
  10. instalação wordpress
  11. instalar o wordpress
  12. wordpress instalação
  13. dicas wordpress
  14. configurar wordpress
  15. free maisa
  16. mozilla firefox 1.5
  17. dicas itunes
  18. wordpress instalar
  19. instalação do wordpress
  20. wordpress como instalar
  21. rodrigo muniz
  22. como configurar o wordpress
  23. max gehringer
  24. tutorial wordpress portugues
  25. webdesigner

Definitivamente o WordPress é o rei do conteúdo do blog para quem chega do Google, isso já me ajuda a pensar em alguma idéia específica para esse público, mas definitivamente não será o foco do meu conteúdo. Pretendo focar mais em assuntos de design, interface homem-máquina e desenvolvimento web em todas as fases, incluindo atendimento e planejamento que aprendi a gostar na marra. :) Também pretendo soltar mais material experimental como ícones, wallpapers e criar pet-projects que brinquem com a API de redes sociais.

Definindo o público alvo

Já deu uma geral no público cativo? É hora de preparar uma estratégia para atingir também o que você define como público alvo da nova versão. No meu caso eu defini 2 tipos de público e adicionei o que o destino (Google) me reservou:

  • Empresas de médio e grande porte interessadas em contratar a Wenetus pelos trabalhos do meu portfolio;
  • Designers de interface, estudantes ou já atuantes no mercado de 16 a 40 anos;
  • Público geral interessado em dicas para WordPress

Defini os 40 anos para os designers, pois acho que não sei falar direito no blog com o público mais velho que 40. Eu poderia trabalhar com técnicas de formatos de persona, mas sinceramente? Pra um projeto de redesign de blog pessoal/profissional eu não quero chegar a tanto.

Com essa linha definida estamos prontos para seguir em frente e pensar a arquitetura da informação do redesign ficando nos 3 públicos definidos. Próxima parada é sua majestade o conteúdo, sitemap e protótipos/wireframes.

Você é Desenvolvedor ou Designer?
Leia o blog do VTEX Lab, núcleo de inovação para ecommerce da VTEX. Também escrevo por lá. :)

Tags:, ,

  • por Muniz
  • Web

Sobre

Nascido em 1984 é Desenvolvedor Web autodidata desde 2002. Hoje especialista em Design da Informação pela UFPE é Designer na equipe de UX no VTEX Lab (núcleo de inovação para ecommerce), da VTEX.

Saiba mais